sábado, 4 de abril de 2009

O mito das novas tecnologias

Criado em: 05/01/06

Foi-se o tempo em que o professor era o único detentor de saberes em sala de aula. Hoje a grande preocupação da educação é a aprendizagem do aluno, de forma em que o mesmo participe ativamente do processo de construção de sua aprendizagem. Muitos professores resistem em descer de seu patamar e tratarem seus alunos igualitariamente, certamente pela insegurança e pelo medo de ficarem expostos e possivelmente perderem o “controle” da turma, principalmente pelo fato da grande exigência social em relação a utilização de diversificados instrumentos de trabalho, não sendo mais apenas o “cuspe e o giz”.
As gerações que estão sentadas nos bancos escolares nos dias atuais já nasceram em um mundo onde esses novos recursos tecnológicos como celulares, telefones sem fio e principalmente computadores já existiam,portanto a utilização desses recursos em sala de aula são encarados pelos alunos de forma natural, sendo que a grande parte dos educadores não cresceram nem tampouco foram educados com a utilização dos mesmos, portanto a dificuldade e a resistência para muitos é grande, pois existe a consciência do domínio dos alunos em relação aos aparelhos e o medo do aluno de repente superar o educador é grande, pois a idéia de que o professor é o detentor dos saberes e o aluno é o aprendiz inerte que não contribui em nada ainda está incutida fortemente em muitos.
Ouve-se constantemente que o profissional de educação estão com seus dias contados, pois os recursos tecnológicos se superam a cada dia e as informações chegam em uma velocidade tão grande e tão facilmente através principalmente da internet que logo será desnecessário a presença de um professor, o que eu discordo, pois por mais que tenhamos diversificados instrumentos tecnológicos é importante que exista sim um professor, não para induzir ou ditar regras e ser o sabe tudo e retentor dos saberes, porque por mais recursos que se tenha o educador se o mesmo não for carismático com a turma , todo recurso será desnecessário.
A real função do educador é o de primeiramente ser o aliado de seu aluno e ter a consciência de que sua presença não é para transmitir conhecimentos, mas para ser o elo, a ponte instigante de busca pelo saber.
É dar espaço aos alunos para estarem agindo individualmente e com liberdade para falar, demonstrar seus conhecimentos, habilidades, ou seja, é uma constante troca de saberes.
Acredito na importância global que uma sala de aula tem. Não só no que diz respeito aos conhecimentos formais que porventura se obtenha na mesma, mas também pelos conhecimentos do senso comum, pelo desenvolvimento social, afetivo entre tantos outros que certamente só o convívio humano pode oferecer.
A escola não necessita ter os avanços tecnológicos como inimigos, e sim como grandes aliados, pois a credibilidade social em relação a mesma ainda é gritante, e o que se torna mais essencial é que uma máquina pode estar te atualizando sim e te informando da forma mais rápida, isso é fato, mas ela jamais poderá te afagar, olhar em seus olhos, sentir seus batimentos cardíacos e te dizer com toda emoção o quanto te ama. Portanto por trás de qualquer máquina existirá um ser humano com todas as capacidades cognitivas e emocionais e o grande diferencial é esse, o professor deve saber tocar profundamente em seus alunos, leva-los a pensar, criticar, sentir e se emocionar.
Alessandra Corrêa

Nenhum comentário: